O Cremosinho se encaixa em uma modalidade de alimento denominada de "gelados comestíveis" regulamentado pelo Ministério da Saúde através da ANVISA. Na verdade a palavra "cremosinho" é uma denominação genérica ou um "apelido" para um gelado de iogurte ou basicamente um sorvete de iogurte, comercializado em pequenas porções de 50 a 90 gramas.

Os interessados em empreender neste negócio, deveram inicialmente credenciar sua atividade na ANVISA, através dos departamentos de Vigilância Sanitária (municipal ou estadual), conforme o município a ser instalado.

O trâmite normalmente é simples e monta-se um processo o qual compreende plantas, informações diversas e documentos, que serão avaliados e autorizados pelo SERVIÇO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA.

Uma vez credenciado, a empresa entra no processo de produção, sendo que este é um produto isento de registro, portanto com aprovação e liberação local.

Recomendamos sempre, a confecção do projeto e liberação, antes de qualquer montagem, construção ou reforma, as quais devem cumprir determinadas exigências, visando sempre a elaboração de um produto de qualidade e seguro para o consumidor.

 

 

ETAPAS DA FABRICAÇÃO DE CREMOSINHO

Procedimento

Onde ocorre

1º. Recepção e seleção do leite ou fabricação somente com leite em pó.

Plataforma de recepção, onde será analisado, medido, coado e destinado para o interior da fabrica. Com leite em pó dispensa os equipamentos da recepção de leite.

2º. Bombeamento do leite

Após o recebimento o leite segue para fábrica, via bomba sanitária em aço inoxidável ou via gravidade (opcional).

3º. Tanque de processo ou iogurteira

Misturam-se os ingredientes neste equipamento, pasteuriza-se, processa-se e segue para o tanque de mistura de ingredientes para preparo dos sabores variados.

4º. Resfriamento

Depois de atingida a temperatura e tempo de pasteurização o leite deverá ser resfriado no próprio tanque, via circulação de água pela camisa do tanque.

5º. Tanque de mistura de sabores

Este equipamento permite a mistura dos variados sabores do produto já preparado no tanque de processo ou iogurteira.

É utilizado também como tanque “pulmão” para abastecer a máquina de envase.

6º. Máquina de envase

Do tanque de mistura o produto é bombeado para a máquina de envase com funcionamento automático, produzindo embalagens com 90 gramas.

7º. Armazenamento final

Após o envase  acondicionam-se as unidades em fardos plásticos e destina-se para câmara de estocagem com temperatura negativa.